Dica #sarahdinha – Filme De Coração Partido

Bom dia #sarahdinha(o)s,

O filme que escolhi para abordar neste post aborda a questão do argumento dramático muito usado, onde de uma lado temos uma criança e do outro a briga de duas famílias para terem sua guarda integral.

“De Coração Partido”, no entanto, tem um ponto de partida original, o que o difere de outros exemplares.  De um lado, há um casal de passado errante que busca por uma nova chance. Do outro, pais que podem dar do bom e do melhor e que justamente pelo alto poder aquisitivo têm um caráter meio questionável.

Wendy (Mira Sorvino) foi agredida pelo marido alcoólatra Roy (Barry Pepper) e não teve alternativa a não ser mandá-lo para a prisão e cumprir um programa de reabilitação. Solto sete anos depois, Roy diz que está curado e que planeja com Wendy construir uma família. Wendy revela neste momento que já estava grávida antes de ele partir e que entregou seu filho ainda recém-nascido para a adoção. Como não houve consentimento do Roy nesta ação, há uma lei de Ohio que pode favorecê-los no sentido de reaver a criança, atualmente vivendo com Jack (Cole Hauser) e Molly Campbell (Kate Levering). O casal Campbell é incapaz de ter um filho e irão cometer atitudes pouco recomendáveis para ficar com Joey (Maxwell Perry Cotton), o filho legítimo de Wendy e Roy.

Mas será que para construir uma relação familiar é preciso somente dinheiro?  Que outras questões devem ser levadas em conta quando o assunto é adoção?

E mais, será que vale a pena terntar burlar a lei para que a adoção seja mantida?

Tudo isso vemos abordado neste belo filme.

Destaque para a performance de Mira Sorvino, convincente na pele de uma mulher sempre encurralada nas circunstâncias que se moldam.

O filme é (na minha visão) muito bem elaborado.

Eu super indico.

Bom filme!

like_dandelion_dust_fb_09

Título Original: Like Dandelion Dust
Ano de Produção: 2009
Direção: Jon Gunn
Roteiro: Michael Lachance e Stephen J. Rivele, baseado no romance de Karen Kingsbury
Elenco: Mira Sorvino, Barry Pepper, Cole Hauser, Kate Levering, Maxwell Perry Cotton, L. Scott Caldwell, Abby Brammell, Kirk B.R. Woller e Brett Rice

Dica #sarahdinha

Ola cinéfilos de plantão.

Se você como eu adora cinema aqui é o lugar certo.

Eu também adoooooooooooooro.

E aqui neste blog vou estar dando dicas dos filmes que assisti para, quem sabe, te motivar a tirar esse corpo estendido do sofá e procurar o cinema mais próximo.

Ao contrário do que muitos cristãs dizem eu não acho errado frequentar cinemas. Mas concordo que você deve selecionar o que você assisti, de preferência assistir com um olhar crítico.

Então é isso.

À partir de agora a gente tem um encontro marcado aqui no blog #sarahdinho,

E vamos falar daquilo que a gente tem paixão: filmes, é claro!

Pra gente já ir se acostumando com os assuntos olha só essa notícia, a Record Filmes planeja trilogia sobre a vida de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus.

Embalada pelo excelente resultado de Os dez Mandamentos _ o filme, nas bilheterias (é o filme mais visto no Brasil no ano em número de espectadores), a Rede Record decidiu no início do ano expandir seu investimento em obras cinematográficas. Gerenciada por Douglas Tavolaro, a Record Filmes tinha entre seus projetos em desenvolvimento títulos sobre Mamonas Assassinas, Suzane von Richthofen e Edir Macedo, além da reedição para os cinemas da novela A Terra Prometida. A história dos irreverentes músicos foi engavetada, de Suzane nada mais foi dito e A Terra Prometida, espécie de segunda temporada de Os Dez Mandamentos só deve terminar por volta de fevereiro ou março do ano que vem.

Resta então a cinebiografia de Edir Macedo. Segundo informações do UOL, a história de vida do líder religioso responsável pela fundação da Igreja Universal do Reino de Deus será contada nas telonas em forma de trilogia. Os três filmes, cada um orçado em cerca de R$ 16 milhões, terão como base a série de livrosNada a Perder, escrita pelo próprio Edir em parceria com Tavolaro, que é jornalista. De acordo com o colunista Ricardo Feltrin, a Record não pretende recorrer a leis de incentivo para financiar o ambicioso projeto. O objetivo é conseguir arrecadar todo o dinheiro por patrocínio, doações e parcerias e o trabalho de sondagem já estaria começando.

Sem diretor anunciado – Alexandre Avancine  (Os Dez Mandamentos) é o mais cotado -, a trilogia deve entrar em produção no segundo semestre do ano que vem ou no início de 2018. Entre outros motivos, por conta das inúmeras locações internacionais, os três longas devem ser gravados simultaneamente.

Já estou aqui na expectativa.

E você?

Nos vemos em breve #sarahdinhos.

Tchau!

dia-c